Sobre a EFoP

 

(Última modificação: 19/06/2020)

 

 

Apresentação

Os socialistas sempre mantiveram espaços de formação política. É através do estudo sistemático e disciplinado que o conhecimento sobre o mundo no qual vivemos ganha sentido e pode ser modificado. É assim que os instrumentos de formação complementam o papel dos jornais, sindicatos, movimentos e demais organizações de classe na tarefa de preparação objetiva e subjetiva para a emancipação de toda a sociedade. A EFoP surge nesta esteira, disposta e pronta para colaborar na construção das condições necessárias à revolução brasileira.

 

Nossa escola foi fundada em 2016, em Florianópolis (SC). Em seu nome, a EFoP homenageia Vânia Bambirra, uma das principais e mais generosas intelectuais da Teoria Marxista da Dependência (TMD). Este gesto busca lembrar dos esforços estratégicos, críticos e criativos que Vânia Bambirra sempre demonstrou em seus textos e em sua militância. É também nosso modo de nos referenciarmos em sua grandeza histórica e na imensa generosidade intelectual de nossa classe.

 

Nosso intuito é contribuir, como tantos outros, para constituir um espaço independente, crítico e pluripartidário de formação política. Consideramos que a organização da classe trabalhadora é de máxima urgência e importância, porém, a escola mantém seu caráter independente de todos os partidos de esquerda de forma a ampliar o escopo dos debates​ e contribuir para a constituição de um campo plural e autônomo de formação política. Desde a sua fundação, realizamos já dezenas de atividades formativas, algumas das quais em parceria com sindicatos, entidades estudantis, movimentos e outras organizações de classe.

 

A organização da Escola

 

A escola se organiza através de cátedras que aglutinam os grandes temas que consideramos prioritários para a nossa contribuição à classe trabalhadora brasileira. As cátedras são fundadas por iniciativa da Direção da Escola e têm caráter perene e, desse modo, refletem a estrutura programática de estudos e as áreas de conhecimentos que nos são caros.

 

Atualmente estão fundadas as seguintes cátedras:

Cátedra de Cultura e Literatura Latinoamericana

Cátedra de Teoria Marxista da Dependência e Imperialismo na América Latina

Cátedra de Estudos sobre o Brasil e sua formação social

Cátedra de Estudos sobre a Universidade

​Cátedra de Teoria da Organização Política e Métodos de Luta da Classe Trabalhadora

As cátedras mantém atividades diversas através das quais cumprem seus objetivos:

 

Seminários

Cursos

Grupos de Estudos

Grupos de Leituras

Além das cátedras, existem atividades propostas diretamente pela Direção da Escola e também as atividades livres. Essas atividades têm por objetivo possibilitarem a emergência de novos tópicos de estudos e debates ainda não contemplados pelas cátedras ou, ainda, aquelas que buscam interpretar e analisar o tempo presente. 

As atividades ligadas à direção da EFOP são:

Banca de Livros

Curso Pré-vestibular Machadianos

Circulação da Balbúrdia

As atividades livres podem ser propostas à qualquer tempo e não possuem caráter permanente, ocorrendo nas seguintes modalidades:

Seminários livres

Debates independentes

Cursos livres

Saiba mais sobre cada uma dessas atividades a seguir.

 
2018_38_bourgeois_edited.jpg
 

Tipos de Atividades

Seminários

Os seminários são a estrutura vertebral das cátedras. Através deles a cátedra apresenta de modo disciplinar os conhecimentos sistematizados de suas áreas temáticas. Os seminários frequentemente têm duração prolongada, com aproximadamente 12 semanas e são propostos em conformidade com as estratégias deliberadas pela cátedra. 

Cursos

Os cursos são atividades complementares aos seminários ou atividades livres de introdução às temáticas propostas no âmbito das cátedras. Podem tratar de quaisquer temas e incluir atividades teóricas ou práticas. Comumente os cursos têm duração bastante limitada e buscam dar resolutividade a uma situação específica, tal como a introdução de determinada pauta ou tema de estudos.

Grupos de Estudos

Os grupos de estudos constituem uma modalidade de difusão do conhecimento entre os pares de forma mais horizontal e plural, na qual cada um dos participantes têm a oportunidade e a responsabilidade de apresentar seus conhecimentos de forma a contribuir com a tarefa coletiva que foi proposta. Os grupos de estudos podem ter duração curta ou longa.

 

Grupos de Leituras

Os grupos de leitura são atividades de difusão de conhecimento na qual existe uma tarefa específica e bem delimitada para ser desempenhada pelo grupo. Por isso, os grupos de leituras têm prazos e estrutura muito bem definidos e delimitados. A extinção do grupo de leitura após a conclusão do estudo da(s) obra(s) definidas no ato de sua composição é obrigatória e por isso os grupos de leitura não devem ser confundidos com grupos de estudos.

 

Banca de Livros

A Banca de Livros da EFOP foi formada em parceria com o Coletivo UFSC à Esquerda e manteve atividades semanais na feira da universidade que ocorre todas as quartas-feiras das 12h30 às 15h00. Seu objetivo é tornar acessível obras de autores de esquerda ao público de dentro e fora das universidades por valores acessíveis, além de realizar debates de difusão destes livros. A Banca de Livros foi fundada em 2017 e manteve-se em funcionamento até o inicio de 2020, tendo sido interrompida pela crise do COVID-19.

Curso Pré-vestibular Machadianos

O Curso Pré-vestibular Machadianos é uma atividade de formação de apoio em literatura e redação para estudantes de escolas públicas que estão prestando o vestibular e trabalhadores que já concluíram o ensino médio e ensejam entrar na universidade. O objetivo é criar condições para que estas pessoas tenham maiores oportunidades de entrar nas universidades públicas, visto que os vestibulares e o ENEM se constituem como barreiras de classe que justificam ideologicamente a ausência de vagas públicas para todos aqueles que têm o direito a educação superior. Longe de nos conformarmos com a existência desse tipo de mecanismo meritocrático, pretende-se com o cursinho constituir uma frente que discuta o papel da universidade e o direito ao acesso às instituições e uma nova geração universitária que esteja comprometida com a estatização de toda a educação superior brasileira e a democratização do acesso à educação.

Circulação da Balbúrdia

A EFOP propõe um novo espaço de formação acadêmica e política para disputar a a universidade: a Circulação da Balbúrdia. Um espaço de debate sobre a produção acadêmica de esquerda das universidades públicas brasileiras. É um espaço para os pesquisadores apresentarem e discutirem suas teses e dissertações e colocá-las em circulação. A “Balbúrdia” se tornou um símbolo involuntário das universidades públicas. O estandarte de ouro do Ministro Weintraub para justificar o corte do orçamento dessas instituições, bem como de suas autonomias constitucionais. A propaganda vigorosa de difamação das universidades repercutiu em diversos dos aparelhos de propaganda do Estado, entre os quais os grandes jornais. Logo diversos editoriais clamaram pelo “fim da Balbúrdia”. Imagens das paredes de centros acadêmicos e edifícios abandonados foram banalizadas, notícias falsas e delirantes se proliferaram. O alinhamento é evidente: era preciso desmantelar o prestígio que essas instituições ainda detém diante da sociedade para extinguí-las. Mas que conhecimento é esse que se produz nas universidades e que é capaz de tirar o sono dos heróis da ordem e do progresso nacional? Deveríamos nós nos afastarmos de quaisquer depravações à intelecção da ordem? Deveríamos nos tornar cientistas brancos, de jalecos brancos, diante de quadros brancos? Muitos, dentre os quais entre nós, se agarram a essa imagem maculada da universidade como um espaço límpido de progresso e desenvolvimento. Nós, por outro lado, abraçamos a Balbúrdia.

tdih-sept25-HD_edited.jpg
 

Atividades Realizadas: